Como é a introdução alimentar por BLW?

Como é a introdução alimentar por BLW?

Papinha é o método de alimentação infantil mais difundido no Brasil e é recomendado por quase todos os pediatras para a introdução alimentar dos bebês.

A alimentação complementar por meio de papinhas deve ser espessa, semelhante a um purê, desde o início e oferecida com colher e gradativamente sendo migrada para alimentos mais consistentes até que seja adotada a mesma alimentação da família.

Quando damos papinha é comum que quem irá alimentar o bebê não participe da refeição em família a mesa ou que o bebê coma antes e depois fique com outra atividade enquanto os adultos fazem a refeição.

O BLW é um método de introdução alimentar em que o bebê participara das refeições em família, nas quais serão oferecidos alimentos saudáveis e somente o bebê é quem levará comida a sua boca.

 

Qual é o ‘be a bá’ da introdução alimentar por BLW?

O BLW ou Baby-Led Weaning é um termo proposto pela agente de saúde britânica Gill Rapley em seu primeiro livro, Baby-Led Weaning: helping your baby to love good food.

O termo weaning pode ser traduzido como desmame e é ele quem orienta todo o processo de introdução alimentar. Ele se inicia quando começamos a oferecer outros alimentos, além do leite materno, e só é concluído quando o bebê realmente parar de mamar.

Esse processo não possui um início e fim definidos, pois o bebê é quem toma a iniciativa e decide quando tudo começa e termina.

 

Ou seja, BLW é:

  • O bebê se sentar à mesa com o restante da família e participar das refeições quando estiver preparado;

 

  • o bebê se entusiasmar a experimentar a comida, demonstrar interesse e manusear tudo. Mesmo que no início ele não leve o alimento a boca;

 

  • apresentar a comida de modo que o bebê possa pegá-la com facilidade. A comida deve ser oferecida em tamanhos e formatos adequados;

 

  • o bebê comer sozinho desde o início da introdução alimentar por BLW;

 

  • o bebê decidir o que comer, quais alimentos ele gosta e experimentar novos alimentos;

 

  • o bebê seguir mamando no seu ritmo até que ele decida diminuir o número de mamadas diárias;

 

  • o bebê ter a oportunidade de descobrir o mundo dos sabores, cores e texturas. Ao comer os alimentos em pedaços, o bebê treina o paladar com o sabor de cada alimento, descobre as cores com a variedade de cores dos os alimentos e conhece as texturas com o tato;

 

  • os pais ou cuidadores respeitarem o bebê. Por mais que os pais desconfiem o bebê sabe quando quer e o quanto quer comer. O BLW permite que os pais respeitem a saciedade do bebê, deixando ele comer até que ele decida não querer mais;

 

  • um processo de aprendizado para os pais, pois eles aprendem a conhecer e respeitar o bebê cada vez mais;

 

  • confiar que o bebê pode comer sozinho e que ele sabe como escapar de qualquer situação de perigo sozinho;

 

  • dar autonomia, desde pequeno o bebê aprende que pode confiar em seus pais e nas suas escolhas. Ele aprende que terá apoio da família em todos os momentos de sua vida.

 

A introdução alimentar por BLW já era um assunto recorrente aqui em casa. Conversávamos sobre o assunto e como poderíamos fazer a alimentação complementar da Valentina. Porém por mais que tivéssemos lido, conversado ou estudado o assunto, nas primeiras tentativas nos sentimos um pouco perdidos.

 

Como foi nosso início com o BLW?

Nossos primeiros passos com a introdução alimentar da Valentina foram feitos com diferentes tentativas. Tentamos dar amassada com colher, na boca em pedaços, mas foi ela quem escolher comer sozinha com as mãos.

A partir da escolha dela, aos poucos fomos aprendendo a respeitar o seu tempo e suas vontades. Isso foi ótimo para nós e para ela!

No início da introdução alimentar por BLW da Valentina ela só pegava, amassava, levava a boca e cuspia a comida. Era o reflexo de protrusão de língua agindo. Como ela ainda não sabia morder, mastigar e engolir ficava mais fácil cuspir toda a comida.

Com o passar do tempo a Valentina aprendeu a morder, mastigar e engolir os alimento, com isso passou a comer cada dia mais. Por ser um processo natural, nós só demos a oportunidade de ela desenvolver cada movimento e se aperfeiçoar nele.

Durante esse processo cabe a nós oferecer vários alimentos e preparações adequadas para a idade da Valentina. Assim ela pode tocar, cheirar, apertar, levar a boca e comer cada preparo diferente que fizermos.

Você conhece alguém que faz a introdução alimentar por BLW? Conta para gente aí nos comentários.